quinta-feira, 2 de outubro de 2008

A Amante Ideal


As pessoas muitas vezes me confundem. Hoje eu ouvi de alguém que tem um relacionamento estável há mais de dez anos que o amor não existe. Se o amor não existe por que essa pessoas mantém um relacionamento há tanto tempo? Por que a sociedade assim nos exige? Eu até compreendo um relacionamento baseado em sexo – quando você encontra A Amante Ideal ou o amante ideal (isso diga-se de passagem, não creio em tal existência) você pode até manter um relacionamento amoroso baseado em sexo... mas como não parecia ser este o caso, e nem sei se atração física pode durar tantos anos sem outras bases, então por que então manter um relacionamento se o amor não existe? Ter alguém do seu lado, só isso? Eu já andei dizendo por aí que não acreditava em Amor mas era da boca para fora – só esperava que alguém me provasse o contrário... apenas esperava que minhas teorias fossem destruídas por alguém. E foram. Resumindo: eu consegui... ou me iludiram? Eu acreditei todas as vezes que alguma mulher dizia me amar. Bem, talvez. Talvez eu questionasse internamente, talvez eu esperasse mais ações que palavras – mesmo que eu ame as palavras, eu amo mais os impulsos e gestos e toda a parte física prazerosa e sensorial da minha existência. Mas enfim, muitas vezes acreditei. Sempre foi o meu maior desejo, por mais que eu dissesse que não existia. E para provar que eu não acreditava, beijava tantas pessoas quanto eu... quissesse. Enquanto sonhava com o que dizia não acreditar. E me senti amargurada e decepcionada com minhas táticas por pensar ter perdido um grande amor pelos meus comportamentos – e agora alguém vem me dizer que amor não existe. O que não entendo é: por que essa pessoa não termina seu relacionamento estável e não sai beijando todo mundo por aí? Por que a sociedade falaria mal dela? Se fosse um homem, não falariam tão mal assim – e isso talvez me irrite. Eu creio que existe. Mas para quem não crê, existem muitas outras formas de se viver – para quê seguir as regras então e se comportar como a sociedade espera de você? Eu não sei se estraguei relacionamentos com sucessivas... tentativas de fugir mas... no fundo eu queria tanto e... morria de... (pânico de me prender). Mas estou presa às dores de um amor intenso não só de minha parte – ela parecia me amar sinceramente também. Então, o que devo fazer agora? Uma coisa eu sei: por enquanto me pergunto (sem achar resposta) se estava tão errada assim e se caso eu tivesse me comportado como todos esperam... se esse amor estaria vivo até hoje. Mas no momento (se isso acontecer um dia) em que eu duvidar de verdade (e não da boca para fora) da existência do Amor – se eu não acreditar mais não vou me prender à regra nenhuma. Nem acreditando em Amor talvez eu não me prenda à regra alguma. Eu tentei ter Amor e Liberdade, mas se amor não existisse eu apenas pensaria em Liberdade – fora com as prisões. Mas o melhor tipo de relacionamento para mim é mesmo baseado em sexo – talvez isso possa evoluir para Amor, ou talvez eu confunda as coisas... Bem, A Amante Ideal para mim era justamente a tal que eu mais amei – eu a amei por isso ou ela se tornou Ideal porque eu a amava? Sabe-se lá...

Liz Christine

Um comentário: