domingo, 2 de fevereiro de 2014

Il balletto delle gatte


Tre volte alla settimana. A prática de yoga. Tutti i giorni gioco com le mie gatte. Não há muita certeza. Expressão imperturbável e fala tranquila. Vozes pausadamente musicais. Um miado, dois miados, três suspiros. O café com a grappa mais doce de todas.

Ella não quer escrever. Ella não quer suspirar agora. Ella quer mergulhar –

Tuffarsi.

Não quer falar, não quer miar, não quer nada além de mergulhar –

Mergulhar na fala tranquila – a sua fala. Ouvir apenas. Responder com os olhos – sou Ella. Tantas dúvidas sem resposta. Tanto silêncio. Pamina tem tripla personalidade – Ella não. Ella é a mesma em todas as páginas. Uma folha em branco à procura de sentidos. Páginas preenchidas com afetuosas expressões de disfarce. A poesia dos miados de Ella.

Facciamo la yoga il lunedì, il martedì e il giovedì.

Pausa. Sócrates telefona para Ella.

Ella não quer soltar a voz – quer apenas ouvir. Sempre que for possível. Observar atentamente – manter a concentração saborosamente detalhista. Il libro dei gatti.

A poesia felina. Banhos longos. Il balletto dei gatti. As babuskas igualmente observadoras. Mariposas fugitivas. Borboletas raras. Espécies a serem preservadas. A privacidade dos olhares desviantes. (Não) Desvie teu olhar.

(Sim) Ella canta quando há apenas você ouvindo – ninguém mais ao redor. Abaixe a persiana e tranque a porta do quarto principal. A dona de Ella. Sócrates mora no mesmo bairro. Felinos que não desejam visitas intrusas. Há espécies mais sociáveis. Cada qual com seus próprios hábitos ou desejos. Conviver em paz. A fala tranquila e a expressão imperturbável. Mergulhar nos belos olhos mais doces que quaisquer palavras. Não é necessário dizer mas é bom ouvir. É sempre bom ouvir. As verdades intransferíveis em um miado. A voz pausadamente musical. A fala tranquila de sentidos que se tornam mais profundos –

Tuffarsi (-:

Exercícios. Pausa. Banhos longos. Il balletto delle gatte (...).


Liz Christine